Facebook compra Instagram

Mark Zuckerberg anunciou esta segunda-feira que a empresa Facebook vai comprar o Instagram pela módica quantia de um bilião de dólares, mais de 700 milhões de euros.

O fundador da rede social mais conhecida do mundo anunciou na sua página do Facebook que está “feliz” por comprar o Instagram e por ter os fundadores da empresa a juntar-se à sua equipa.

Nas declarações postadas no seu mural, Zuckerberg diz que “já há muitos anos que estão centrados em melhorar a experiência para a partilha de fotos com amigos e família” e que a partir de agora, vão ser capazes de “trabalhar, junto com a equipa do Instagram para oferecer melhores experiências na partilha e divulgação de fotos tiradas com os telemóveis”.

 

Chrome OS: cada vez mais parecido com o Windows e OS X

Segundo o The Verge, a mais recente versão do Chrome OS no canal de programação está mais próximo daquilo que é um sistema operativo tradicional. Pelo menos, no que toca à interface.

A versão 19.0.1048.17 inclui a interface Aura UI, acelerada por hardware, um sistema de gestão de janelas, uma barra de tarefas semelhante à do Windows e um “iniciador” de aplicações que faz lembrar o Lauchpad, do OS X Lion.

 

 

Novo visual do Google+

O lançamento da rece social da google (Google+), nao conseguio se impor perante as fortes redes sociais ja existentes na internet. No entanto deu que falar durante muito tempo, chegando mesmo a ser reconhecida como das redes sociais mais seguras e controladas que existe. Esta rede sociais foi construída baseando-se na observação das mais conhecidas redes de comunicação na internet(Facebook, Twitter). A partir da ideia do Twitter foi criado o conceito dos círculos, e a partir do Facebook foi criada a ideia de moral.

 

A primeira alteração que chama mais à atenção é a disponibilização de uma barra lateral com os acessos a todas as principais funcionalidades do Google Plus.

Esta barra substitui os links que estavam disponíveis em cima e pode ser completamente customizada. Passam a poder subir ou descer itens dentro dessa barra, arrumando-os da forma que pretenderem e para que tenham acesso mais rápido aos que mais usam.

Conversações melhoradas

Hangouts

Nova página de entrada

E muito mais…

Intel lança novas CPUs de baixa voltagem

O trio de processadores novos deverá trazer ainda mais potência aos ultraportáteis. Segundo o Engadget, a Intel adicionou três novos processadores de muito baixa voltagem à sua linha de CPUs destinados a ultraportáteis. As novas CPUs Sandy Bridge têm uma dissipação térmica (TDP) máxima de 17 W. Começando pelo topo de gama, o Core i7-2677M com 4 MB de memória cache, dois núcleos e uma velocidade de 1,8 GHz, com um Turbo máximo de 2,9 GHz. Depois, temos o Core i7-2637M, que difere apenas nas velocidades (1,7 GHz e um Turbo de 2,8 GHz), e o Core i5-2557M, que inclui 3 MB de memória cache e velocidades de 1,7 GHz e 2,7 GHz no máximo, em modo Turbo.

 

Cracker búlgaro preso roubou até Bill Gates

São Paulo – O cracker búlgaro, Kolarov Aleksey Petrov, preso pela polícia paraguaia, é considerado o “rei dos crackers” que roubou milhares de dólares do fundador da Microsoft, Bill Gates.

De acordo com o jornal paraguaio ABC, Petrov foi um dos responsáveis pelo roubo de milhares de dólares da conta bancária de Bill Gates, que na época teve seus cartões clonados.

Além de Petrov, foram presos também seus comparsas Petrov Plamen Stoyanov, Kavrakov Konstantin Simeonov e Penchev Marchel Dimov. Com eles foram encontrados dezenas de cartões de crédito clonados e uma quantia de US$ 90 mil em dinheiro.

Petrov é conhecido como um extraordinário conhecedor de informática e considerado o líder de uma rede de falsificadores de cartões, que foi desarticulada em 2004 nos Estados Unidos e Europa.

Microsoft lança SDK do Kinect para Windows

O SDK é a ferramenta mais importante que um desenvolvedor pode querer para se envolver com uma nova tecnologia. No caso específico do Kinect, a Microsoft liberou o acesso aos sensores do Kinect (sem restrições), ao rastreamento de esqueleto e movimento humano e o reconhecimento de voz e objetos. São várias APIs que poderão ser utilizadas por quem se interessar em criar aplicativos baseados na tecnologia do Kinect.

Entretanto, o SDK não é para qualquer um. A empresa liderada por Steve Ballmer deixou bem claro que o SDK do Kinect não pode ser usado para fins comerciais. Ele é voltado, portanto, para entusiastas e pesquisadores, que antes dependiam de gambiarras para usar o Kinect em seus aplicativos.

Para usar o Software Development Kit, o usuário deve saber C++, C# ou Visual Basic (com Visual Studio 2010). Além do software, a Microsoft está fornecendo mais de 100 páginas de documentação técnica “de alta qualidade”, inclusive com trechos de códigos para serem usados no Kinect. Nada mais inteligente se eles querem transformar o Kinect em uma plataforma popular para possivelmente lançar uma loja de aplicativos no futuro.

Durante o lançamento do software, a Microsoft apresentou uma solução criada por estudantes que permite controlar um helicóptero apenas com o movimento das mãos. Veja: http://youtu.be/OQnRA6wZM-A

Autoridades admitem usar ficheiros de música para caçar piratas na Net

A Inspeção-Geral de Atividades Culturais (IGAC) e a Associação Fonográfica Portuguesa (AFP) assinaram um protocolo que permite a disseminação de ficheiros de música com o objetivo de facilitar a deteção de pirataria na Net.

No final de 2010, a IGAC e a AFP anunciaram um acordo que visava a aumentar a eficácia do combate à pirataria nos Sites de Partilha de Ficheiros (P2P) em Portugal. Um comunicado do Ministério da Cultura revelou , na altura, que o protocolo previa o recurso a software para a deteção de pirataria, mas não referia o uso de ficheiros de música pelos investigadores da IGAC quando se registam nos P2P com o objetivo de detetar casos de partilha de música pirata.

André Rosa, fundador do Partido Pirata Português (PPP), insurge-se contra a distribuição de músicas nos sites P2P pelas autoridades: “A partir do momento em que a IGAC coloca ficheiros de música nesses sites, como é que pode dizer que outros internautas fizeram ou não o download ilegal dessas músicas?”.

Na origem da polémica está a alínea b da cláusula quarta do protocolo assinado pela AFP e a IGAC .

Oracle quer milhares de milhões da Google

A Oracle diz que a Google usou indevidamente Java no Android e vai exigir uma compensação de milhares de milhões de dólares.

O processo judicial da Oracle contra a Google foi iniciado no ano passado. Segundo a Oracle, a Google terá usado indevidamente código Java no sistema operativo móvel Android. Recorde-se que a Oracle detém a propriedade intelectual dos códigos Java desde que adquiriu a Sun Microsystems.

De acordo com a PC Pro, a Oracle já atribuiu um preço à alegada infração da Google, indicado que vai pedir uma compensação de “milhares de milhões de dólares”.

A Google já reagiu através de um porta-voz, indicando, de acordo com a Bloomberg, que os valores pedidos são exagerados e “têm por base erros legais básicos”.

Portugueses entre os mais preocupados da Europa com privacidade

Oitenta por cento dos cidadãos portugueses mostram apreensão sempre que têm de fornecer informação pessoal online. Os dados constam um novo inquérito Eurobarómetro sobre as atitudes relativas à protecção de dados e à identidade electrónica e colocam Portugal em segundo na lista dos “mais preocupados” com estas questões na UE.

O país iguala com a Grécia, e fica apenas atrás do Luxemburgo e da Irlanda, onde 83% dos cidadãos se mostram apreensivos em disponibilizar informação como o seu número de cartão bancário, morada, etc.

Do lado oposto, os europeus menos preocupados com estas questões são os suecos (33%) e os holandeses (49%).

Em termos gerais, três em cada quatro europeus estão conformados com a cedência dos seus dados pessoais, mas também se mostram preocupados com a utilização que as empresas – incluindo os motores de pesquisa e as redes sociais – fazem da sua informação.

O inquérito mostra que 60% dos europeus que usam a Internet (40% do total dos cidadãos da UE) compra ou vende bens online e usa redes sociais. Nestes serviços, os inquiridos revelam os seus dados pessoais, incluindo informação biográfica (quase 90%), informação social (quase 50%) e informação sensível (perto de 10%).

As preocupações mais frequentes relacionam-se com as fraudes ao fazer compras (mencionadas por 55 % dos inquiridos), a utilização da informação nas redes sociais sem o seu conhecimento (44 %) e a partilha dos dados entre empresas sem a sua autorização (43 %).