Gnash 0.8.4

O Gnash, a implementação livre do Flash da Adobe que tem o apoio da Free Software Foundation, foi actualizada e está agora na versão 0.8.4. Algumas das novidades são:

  • suporte para conteúdos flash com múltiplas faixas de áudio;
  • melhor render dos ficheiros SWF;
  • suporte para escrita de imagens PNG com RGB/RGBA e JPEG;
  • compatibilidade com o editor Potlatch do OpenStreetMap;
  • nova extensão XPI para o Firefox e clones;
  • inclusão de um novo utilitário para analisar os ficheiros FLV.

Outra mudança do Gnash, que não se prende com a parte técnica, é a alteração da sua discrição, que passou de «Flash Player» para «SWF Player», uma vez que os direitos pertencem à Adobe.

Ensaio sobre Software Livre e como ganhar dinheiro com ele

gnuÀ uns 14 meses atrás, fiquei completamente farto do Windows XP e decidi mudar de sistema operativo. Apesar de todos os cuidados que tinha e das aplicações de segurança que utilizava – firewall, anti-vírus, anti-spyware e por aí fora -, acabava com infecções de malware; e quando não era malware, era um decréscimo absurdo na performance.
Como, na altura, tinha aqui mencionado o Ubuntu algumas vezes e sabia que a comunidade portuguesa em torno desta distribuição era grande, mantive um dual-boot com o Windows Xp e o Ubuntu. Ao fim de duas semanas com dual-boot, removi a partição do Windows.
À medida que fui conhecendo mais sobre o GNU/Linux e os sistemas operativos livres em geral, fiquei a conhecer o movimento open source. Mais tarde, fiquei a conhecer o movimento Free Software, movimento em que me revejo.
Como a minha inaptidão para programar é tão grande como a inaptidão para desenhar, e como sinto que devo dar algo à comunidade que me deu o software que hoje utilizo, decidi escrever um pequeno ensaio sobre formas de ganhar dinheiro com software livre, para ajudar a desmistificar algumas ideias incorrectas que existem. O texto é simples, curto e direccionado para o público com menos conhecimentos de informática.
O texto original está disponível em português, sob uma licença GNU Free Documentation License. Uma tradução para inglês, igualmente sob a FDL, e revista por Karl Berry, a quem eu deixo o meu agradecimento, também está disponível para download. Ambos os documentos estão no formato ODF e PDF e não garanto que os disponibilize noutro formato.

Download da versão portuguesa (PDF)
Download da versão inglesa (PDF)

A dança dos Geeks por Richard Stallman

Quem não conhece Richard Stallman, umas das pessoas mais importantes no mundo do software livre, tendo sido fundador da Free Software Foundation (FSF), do projecto GNU e criou várias aplicações como GNU C Compiler e o Emacs. É também o criador das licenças GNU GPL.

Richard Stallman é uma pessoa com um espírito bastante aberto ( será que o espírito dele é open-source? ). Aqui neste vídeo podemos observa-lo a dançar com o seu portátil.

nDroid: acesso ultra-rápido a ficheiros e aplicações (actualizado)

ndroidEm GNU/Linux, quando estou a utilizar o Gnome, carrego em Alt+F2 e aparece-me um pequeno utilitário que me permite iniciar uma aplicação ou executar um comando. No KDE, acontece exactamente o mesmo. Nos ambiente gráficos que não têm suporte nativo para esta funcionalidade, pode ser utilizado o programa gmrun.
Em Mac OS X, os utilizadores podem utilizar o Spotlight. Em Windows, basta pressionar a tecla feia com o símbolo da janela e o R. Mas é bastante básica e não permite executar outras aplicações para além daquelas que vêm com o Windows.
Para terem, em Windows, uma forma poderosa de iniciar aplicações e abrir ficheiros e pastas, existe um pequeno e leve programa chamado nDroid. Baseado no AutoHotKey, esta aplicação indexa as pastas, ficheiros e aplicações presentes no vosso computador, para que consigam aceder a elas de uma forma rápida.

nDroid, via Wired.com

Obrigado aos leitores que mencionaram o launcher nativo do Mac OS X.

Implementação livre do formato PDF precisa da vossa ajuda

A Free Software Foundation está, de à uns tempos para cá, a desenvolver uma implementação livre do formato PDF. Mas este projecto, apesar de ser de código aberto, precisa de algum dinheiro para contratar programador.

Se gostam de utilizar software livre, também o devem apoiar, seja financeiramente, com traduções ou patches; a FSF aceita todas as ajudas que possam dar. Se quiserem dar uma ajuda financeira ao projecto, que será usado por vocês e tantos outros utilizadores, visitem o site criado para as doações monetárias e ajudem este projecto a crescer.

O software livre não é só receber, é também dar. Se fosse só receber, não tinha chegado onde chegou e não teria o enorme potencial que tem à sua frente. Apoiem o projecto GNU PDF.

Fonte: Blue-GNU

Dia da Liberdade de Software

Hoje, 15 de Setembro, festeja-se, um pouco por todo o mundo, o Software Freedom Day (Dia da Liberdade de Software). Para além dos festejos, serão mostradas as virtudes e benefícios do uso de Software Livre.

Mais de 330 equipas em 90 países participarão neste evento, que conta com o apoio das Nações Unidas, Canonical, Danish Unix User Group, Google, MindTouch, Free Software Foundation, Zenoss, ManComun.Org, IOSN, Linux Magazine, Zac-Ware, The Open CD e OLPC. Infelizmente, Portugal não tem uma equipa oficial, mas mais anos virão e a criação de uma equipa para o evento pode estar para breve.

O Software Freedom Day começou no dia 28 de Agosto de 2004; na altura, mais de 70 equipas de todo o mundo participaram no evento. No segundo ano do evento, a data de festejo mudou para o dia 10 de Setembro e, mais tarde, foi estabelecido o terceiro sábado de Setembro como o Dia da Liberdade de Software.

As comemorações deste dia também estão a acontecer, de forma informal, em Portugal, este país agarrado tão agarrado à Microsoft. O site Programas Livres está a oferecer o cd oficial do projecto a quem deixar, até às 23h59m de hoje, um comentário no artigo sobre o Dia da Liberdade de Software; para ganhar um cd, basta apenas, no comentário, contar a vossa história de mudança do software proprietário para o software livre. Também no âmbito das comemorações, mas fora do país, o projecto The Open CD actualizou o conteúdo do CD com software livre para Windows e já o tem disponível; se tiverem interessados, podem fazer o download aqui.

Free Software Foundation promove o software livre junto dos grupos ambientalistas e sociais

natureza_outono

A Free Software Foundation (FSF), num comunicado emitido no site oficial da organização, anunciou uma nova campanha, que visa a promoção do uso de software livre por parte das organizações não governamentais (ONGs) e activistas individuais.

Juntamente com a campanha, foi criada uma petição que visa reunir assinaturas dos grupos ambientalistas, grupos sociais e pessoas individuais. As organizações "The Green Party", "New Internationalist", "Friends of the Earth International" e "People and Planet" já assinaram a petição e mostraram o seu apoio oficial à campanha e ao software livre.

Para além de promover o uso de software livre, esta campanha pretende que os utilizadores – e em especial as ONGs – rejeitem o Windows Vista. As razões apresentadas pela FSF para que o software livre seja preterido sobre o software proprietário são: as restrições presentes no software proprietário e as preocupações ambientais inerentes à compra de um novo computador e consequente abandono do antigo.

Até ao momento, a petição conta com 310 assinaturas (uma delas é minha). Os interessados em apoiar esta campanha devem dirigir-se ao site freesoftwarefreesociety.org e assinar a petição.

Free Software Foundation afirma que a Microsoft não está livre da GPL3

Pouco tempo depois do lançamento oficial da GPL3 , a Microsoft disse que não tinha nada a ver com esta licença. Mas a Free Software Foundation , num comunicado divulgado ontem, diz que as coisas não são bem assim.

No comunicado, a FSF Free Software Foundation ) afirma que, ao distribuir ou pagar a outro para distribuir em seu nome software sob licenciado com a GNU General Public License 3 (por exemplo, os cupões que compraram à Novell para distribuir o SLED 10, sem data de termino definida), a Microsoft terá que respeitar a licença e não poderá processar ninguém por violação de patentes.

If Microsoft distributes our works licensed under GPLv3 , or pays others to distribute them on its behalf , it is bound to do so under the terms of that license . It may not do so under any other terms ; it cannot declare itself exempt from the requirements of GPLv3 .

Durante o comunicado, são feitas fortes críticas à Microsoft e às suas alegadas – e já dadas como provadas pela UE – práticas monopolistas e anticompetitivas e acusa ainda a empresa de tentar destruir o software livre.

A Free Software Foundation termina o comunicado com uma promessa: defender das acusações de violação de propriedade intelectual todos aqueles que licenciaram o seu software sob a GPL3 .

We will ensure–and, to the extent of our resources, assist other GPLv3 licensors in ensuring- that Microsoft respects our copyrights and complies with our licenses.

Free Software Awards 2007

free_software_foundation

Já estão abertas as nomeações para o décimo Free Software Awards e para o Project of Social Benefit. Estes dos prémios visam premiar contribuidores no software livre, no caso do Free Software Awards, e projectos com grande relevância social, no caso do Project of Social Benefit.

As nomeações para estes dois prémios devem ser feita através do email award-nominations@gnu.org, até dia 31 de Outubro de 2007 (no site da FSF está até 31 de Outubro de 2006, mas é uma gralha). O email deve conter o nome da pessoa ou projecto nomeado no cabeçalho e as razões para a nomeação no corpo da mensagem – onde também devem constar também as bases para a nomeação.

Se conhecem alguém ou algum projecto que acham que se enquadra nos prémios, façam a vossa nomeação. Eu, para já, vou é enviar um email à Free Software Foundation por causa de dois erros que já encontrei no comunicado oficial (um deles já foi acima mencionado).

O comunicado oficial pode ser lido aqui.

Já saiu a GPL3

GNUDepois de 18 meses de discussão e quatro rascunhos, a Free Software Foundation lançou oficialmente a versão 3 da GPL (GNU General Public License).

Durante o tempo de discussão, a Free Software Foundation contou com muito apoio e muito desagrado vindos da comunidade que, juntamente com muito apoio legal da Software Freedom Law Center, fizeram a GPL3.

Dois dos pontos de maior destaque da GNU General Public License 3 são a impossibilidade de um distribuidor de software sob a GPL3 fazer acordos de protecção de patentes com empresas de software fechado (acordos tipo Microsoft/Novell) e a proibição de um dispositivo com software livre usar medidas para restringir ou não permitir modificações por parte do utilizador.

A GNU vai, para já, migrar 15 programas para a GPL3. O resto do seu portfolio vai adoptar a nova licença durante os próximos meses.

É com algum agrado que reporto o lançamento da GPL3, porque acredito no software livre e na filosofia adjacente, mas não de uma forma tão fervorosa como o Richard Stallman.

Não tenho nada contra o software proprietário e até uso algum, por via da necessidade, mas acredito que a industria de software e os utilizadores só têm a ganhar com o software livre.

Mas o lucro é que manda e por isso torna-se difícil estar 100% livre. A licença final pode ser lida aqui.