openSuse 11.1 beta 2

openSuseNa segunda feira recebi uma carta para levantar uma carga nos CTT vinda da Alemanha.

Achei estranho, pois não me lembrava de ter encomendado nada, muito menos vindo da Alemanha e ainda por cima uma carga que era gratuita e estava descrita como volumosa.

Como os CTT estiveram dois dias de greve e como ontem era Quinta-Feira, dia de feira aqui em Barcelos, decidi adiar a minha ida para hoje.

No carimbo da carta, indicava para levantar nos CTT de Arcozelo, no entanto quando cheguei aos CTT indicados, disseram-me que se tinham enganado no carimbo e portanto teria que me deslocar aos CTT de Barcelos para fazer o levantamento da carga.

Lá me desloquei até aos CTT de Barcelos e ao levantar a encomenda apercebi-me logo que eram CDs/DVDs com Linux, mais propriamente Linux OpenSuse.

Já tinha pedido à algum tempo DVDs do OpenSuse, no entanto não me lembrava de os ter pedido e nunca pensei que viessem da Alemanha.

Foram ao total 40 DVDs com o sistema operativo OpenSuse 11.0, totalmente gratuitos que se vão juntar aos outros CDs com Ubuntu e OpenSolaris que por aqui tenho para distribuir em Lan Parties e outros eventos sociais tecnológicos que visito.

O OpenSuse 11.0 é a ultima versão estável desta distribuição, no entanto aproveito a boleia para anunciar que o OpenSuse 11.1 beta 2 foi lançado hoje e pode ser descarregado dos repositórios oficiais.

Aqui fica uma lista das principais mudanças no OpenSuse 11.1 beta 2:

  • Live CDs para GNOME e KDE com tamanho reduzido
  • VirtualBox 2.0.2
  • OpenOffice.org 3.0RC2
  • GNOME 2.24.0
  • KDE 4.1.2
  • Mono 2.0 RC 3
  • Compiz 0.7.8

Queria deixar aqui o meu agradecimento à Novell pelo excelente trabalho na personalização da distribuição e também pelo envio dos DVDs.

Monopólio (o jogo) à Google

Googolopoly é um jogo inspirado pelo Google. Em poucas palavras: é o Monopólio normal onde, em vez de se comprarem casas, se compram empresas. Outra diferença em relação ao Monopólio tradicional é o uso de Google Dollars como moeda. De resto, é exactamente o mesmo que o bom velho Monopólio.

Se quiserem jogar o Googolopoly e comprar todas as empresas que vos aparecem pela frente, podem descarregar e imprimir este PDF.

via Labnol.org

Demonoid reabriu

O Demonoid, qual Fénix, vai renascer das cinzas, agora com um novo administrador. Ao que parece, este novo administrador é um amigo pessoal do antigo administrador, Deimos.

Este renascer do Demonoid é bem capaz de lhe valer o estatuto de herói das redes de partilhas de ficheiros e dar-lhe uma boa quantidade de tráfego, tráfego esse que poderá ser a razão para o próximo fechar de portas.

via Torrentfreak.com

Yahoo vai utilizar publicidade do Google, poderá comprar AOL.

O Yahoo está mesmo empenhado em não fazer parte do império Microsoft. Depois de ter tentado, sem sucesso, acordos com diversas empresas, o Yahoo está a testar a utilização de anúncios do Google.
Esta experiência do Yahoo irá decorrer durante duas semanas e mostrará a publicidade do Google apenas em 3% das pesquisas realizadas por utilizadores americanos.
Outra forma de evitar a proposta da Microsoft passa pela aquisição da AOL à Time Warner. Em troca, a Time Warner terá que comprar 20% do Yahoo e fazer um investimento financeiro.
Quem não gostou nada de saber isto foi a Microsoft, que não foi de meias palavras ao classificar isto como uma tentativa de monopolizar a publicidade online.

O Yahoo está mesmo a fazer "das tripas coração" para evitar uma fusão com a Microsoft. Mas este acordo com o Google poderá ser um risco, porque o risco de criar um monopólio na publicidade online, tal como já acontece nos desktops, é grande.

via info.abril.com.br, gigaom.com e electronista.com

End Software Patents: um esforço para acabar com as patentes de software nos EUA

Nos Estados Unidos, vários grupos e pessoas uniram-se para acabar com as patentes de software neste país. O esforço conjunto chama-se End Software Patents e dele fazem parte alguns membros como a Free Software Foundation, Software Freedom Law Center e Public Patent Foundation.

De acordo o End Software Patents, as patentes de software não promovem a inovação e tornam difícil a criação de software.

"Software innovation happens without government intervention. Virtually all of the technologies you use now, was developed before software was widely viewed as patentable. The Web, email, your word processor and spreadsheet program, instant messaging, or even more technical features like the psychoachoustic encoding and Huffman compression underlying the MP3 standard—all of it was originally developed by enthusiastic programmers, many of whom have formed successful business around such software, none of whom asked the government for a monopoly. So if software authors have a proven track-record of innovation without patents, why force them to use patents? What is the gain from billions of dollars in patent litigation?"

Este grupo estima que, anualmente, mais de 11.4 mil milhões de dólares são gastos em processos relacionados com alegadas violações de patentes e afirma que há uma tendência cada vez maior dos "patent trolls" em processar empresas que não estão directamente relacionadas com o desenvolvimento de software.

via Arstechnica.com

Free Software Foundation afirma que a Microsoft não está livre da GPL3

Pouco tempo depois do lançamento oficial da GPL3 , a Microsoft disse que não tinha nada a ver com esta licença. Mas a Free Software Foundation , num comunicado divulgado ontem, diz que as coisas não são bem assim.

No comunicado, a FSF Free Software Foundation ) afirma que, ao distribuir ou pagar a outro para distribuir em seu nome software sob licenciado com a GNU General Public License 3 (por exemplo, os cupões que compraram à Novell para distribuir o SLED 10, sem data de termino definida), a Microsoft terá que respeitar a licença e não poderá processar ninguém por violação de patentes.

If Microsoft distributes our works licensed under GPLv3 , or pays others to distribute them on its behalf , it is bound to do so under the terms of that license . It may not do so under any other terms ; it cannot declare itself exempt from the requirements of GPLv3 .

Durante o comunicado, são feitas fortes críticas à Microsoft e às suas alegadas – e já dadas como provadas pela UE – práticas monopolistas e anticompetitivas e acusa ainda a empresa de tentar destruir o software livre.

A Free Software Foundation termina o comunicado com uma promessa: defender das acusações de violação de propriedade intelectual todos aqueles que licenciaram o seu software sob a GPL3 .

We will ensure–and, to the extent of our resources, assist other GPLv3 licensors in ensuring- that Microsoft respects our copyrights and complies with our licenses.

Comissão Europeia acusa Intel de práticas monopolistas

A Comissão Europeia apresentou uma queixa formal contra a Intel, por práticas monopolista e uso de estratégias pouco éticas contra a rival AMD, depois de anos de investigação das práticas da empresa.
Esta não é a primeira vez que a Intel é alvo de processos semelhantes. A empresa já foi acusada várias vezes pela AMD, em diversos países, pelas mesmas práticas monopolistas e estratégias pouco éticas.

{Fontes: Engadget && Washington Post}

OpenSUSE 10.3 Alpha 6

A nova alpha do OpenSUSE está disponível para download. Esta versão vem com a última versão estável do kernel (2.6.22), com o KDE 4.0 Alpha 2, OpenOffice 2.3 Alpha, Mono 1.2.4, Wine 0.9.41, Gnome 2.19.x, Amarok 1.4.6 e gcc 4.2.

Para além das novas versões de algum software, foram adicionadas as versões 64bit dos cds de instalação KDE e GNOME.

{Fontes: Phoronix && Mário Martins}

Moonlight – Silverlight para GNU/Linux

Os programadores e a comunidade do projecto open-source Mono estão a trabalhar afincadamente para trazer a tecnologia Silverlight, desenvolvida pela Microsoft, para GNU/Linux, com o nome Moonlight.

A equipa começou o port do Silverlight 1.1 -nas linguagens C# e C++ – em Maio e espera mostrar a versão alpha do projecto na conferência Microsoft Mix, que irá decorrer em Paris.

Apesar do desenvolvimento destas tecnologias poder vir a providenciar uma melhor experiência aos utilizadores, com tantos projectos do género (silverlight, apolo, flash, etc…), não deve tardar muito para termos os recursos da máquina gastos em plugins para todas estas plataformas.

Fonte: Webware

Divagações sobre software e religião

Será o software como a história de Adão e Eva? Se comermos a maçã, isto é, virmos o código, somos expulsos do paraíso?

Se o software for como a história de Adão e Eva, então a Microsoft é Deus e os utilizadores os fiéis escravos, perdão, servos que não devem saber como o software foi programado, com o risco de serem expulsos do paraíso, aka processados? Reparem como a história de Adão e Eva tenta amedrontar o povo, de forma a eles não ganharem conhecimento e pensamento próprio.

Assentará o modelo closed-source nestas bases? Se sim, então a freira responsável pelo departamento IT do Vaticano está a cometer uma heresia ao usar software livre. Há um ditado que diz: "O conhecimento é poder". Se assim é, não é de admirar que a Microsoft queira acabar com o movimento FOSS. Assim acaba-se a grande ameaça e eles podem continuar a manter a posição monopolista que actualmente têm, sem o risco de a perderem. Como já comparei a Microsoft com uma religião, vou agora comparar os entusiastas do movimento FOSS com outra ou outras religiões. Os entusiastas do movimento FOSS são uma espécie de Buddha; são seres humanos que atingiram o nirvana e desejam um mundo melhor.

Mas talvez se aplique melhor os princípios do Zoroastrianismo, onde os apoiantes do movimento FOSS são Zoroaster, o profeta fundador do Zoroastrianismo que viu que afinal só havia um Deus e que os Deuses que ele servia eram maus. Esta última comparação talvez seja a mais correcta, porque os princípios base do Zoroastrianismo são: bons pensamentos, boas palavras e boas acções. Zoroaster também acreditava que cada um é livre de fazer as suas escolhas, mas que estas acarretam consequências. Outra das crenças deste profeta é que o conhecimento deve ser de todos, e talvez seja esta a maior semelhança com o movimento FOSS.

Como é óbvio, o software não é religião, embora o software, muitas vezes, seja usado para o mesmo fim que a religião: poder. Ring a bell?! Tenho lido em vários sites que o movimento FOSS não está muito preocupado com estas acusações; também já pude ver que eles têm muitas defesas e muito apoio. Mas a Microsoft não falava assim se não tivesse um trunfo na manga, digo eu. Ou então isto vai ser um tiro no pé por parte da Microsoft.

Este texto todo é só porque ando a ver muitos documentários, e é com muito prazer que os vejo. Adquirir novos conhecimentos é bom, porque assim evitamos ser controlados por alguém, tipo, vestir roupa mais quente no inverno para evitar-mos constipações.

Este texto foi pensado ontem à noite, enquanto estava a tentar dormir. Hoje trabalhei-o um pouco, mas sei que ainda está em bruto; mas vou deixá-lo como está e só altero algum erro ortográfico ou de pontuação que possa existir e que eu não tenha reparado. Se detectarem algum, avisem.

Agora vou ouvir Thievery Corporation – The Heart’s a Lonely Hunter, para relaxar o cérebro.