PlayOnMac 1.1 – Instalar programas Windows em macOSx

PlayOnMac

Há alguns meses atrás falei no PlayOnLinux, uma aplicação para Linux que permitia a instalação e emulação de aplicações e jogos Windows em Linux utilizando o Wine.

Agora o PlayOnLinux tem também uma versão para Mac chamada PlayOnMac que permite instalar os mesmos jogos e aplicações em Macs com processadores Intel.

Desta forma poderá correr jogos como os jogos da plataforma Steam e também correr aplicações como Microsoft Excell ou o Internet Explorer (bastante útil para Webdevelopers masoquistas).

O PlayOnMac actualiza automaticamente a lista dos repositórios e facilita a instalação de várias aplicações com apenas alguns cliques. O interface é bastante semelhante ao já conhecido Synaptic.

Para finalizar, o PlayOnMac é gratuito e open-source.

[Vídeo] Anúncio Microsoft – 3º vídeo do Get a PC

Laptop Hunters $1500 – Lisa and Jackson get a Sony VAIO

Este é o terceiro vídeo de uma campanha de publicidade que a Microsoft está a fazer para demonstrar que se pode poupar ao comprar um PC portátil e não um Mac.

É claro que se encontram soluções mais baratas que os Mac para portáteis, mas por outro lado o dinheiro que gastam a menos, vão gastar depois em software de segurança.

Nada contra em comprarem um PC portátil e não um Mac portátil, desde que saibam fazer bem a escolha no sistema operativo… 😛

Mas o que me levou a escrever este post, foi provavelmente o segundo comentário ao vídeo da Microsoft no YouTube:

IgnorantPCFanboys:
congaratulations, it’s a pc (Piece [of] Crap)

Comprei o meu Macbook 13″ há cerca de 3 anos e apenas necessitou de um upgrade à RAM, não me arrependo nem por um segundo de ter dado o dinheiro que ele custou. É uma das máquinas mais bonitas que já vi e para além disso tenho a possibilidade de correr macOSx.

Switcher 2.0 – Exposé para Windows Vista

Switcher 2.0

Quem utiliza MacOSx provavelmente conhece e adora a ferramenta Exposé que permite verificar todas as janelas de aplicações abertas e aceder rapidamente utilizando atalhos do teclado ou os “cantos” do seu desktop.

Para mim seria muito difícil deixar de usar esta ferramenta no meu dia a dia, visto que é uma ferramenta que vem integrada no sistema operativo macOSx.

Muitas das vezes quando estou num computador com um sistema operativo diferente ao macOSx, lá me ponho a bater com o cursor nos cantos do ecra, até que dou conta que não existe essa feature no Windows.

Switcher 2.0

Mas com o Switcher 2.0, uma ferramenta gratuita, é possível adicionar o efeito ao Windows Vista, permitindo não só criar o mesmo efeito que o Exposé como também utilizar-lo de várias formas, colocando as janelas em grelha, espalhadas ou situadas no topo do ecrã.

É provavelmente a melhor forma para aumentar a produtividade, não sendo necessário procurar as janelas na barra de ferramentas como habitualmente.

Como já disse, o Switcher 2.0 é gratuito, simples, potente e está ao alcance de um clique.

BumpTop 3D – Download

BumpTop

Finalmente está disponível para download para Windows XP e Windows Vista o BumpTop, uma alternativa ao seu ambiente de trabalho habitual do seu sistema operativo.

O BumpTop é um novo desktop em 3D que lhe permite ter um maior controlo do seu ambiente de trabalho, organizando os ficheiros da mesma forma que os organiza na sua secretária, podendo personaliza-lo e ainda criar grupos de aplicações e documentos.

Para além disso o BumpTop quebra a barreira existente entre o seu ambiente de trabalho e as redes sociais, permitindo-lhe usar gadgets que tornam o seu ambiente de trabalho mais social graças à integração com o Twitter, Facebook, etc…

O autor do software afirma que o BumpTop serve também para poupar tempo, no entanto acho que dificilmente alguém conseguirá poupar tempo com uma aplicação como esta.

Para já o software está apenas disponível para Windows, no entanto existem planos de criar versões para os sistemas macOSx e Linux.

Fique aqui com um vídeo do BumpTop 3D:

Windows 7 touch

Como paior parte de vocês deve saber, o Windows 7 ja está em fase beta e deve estar pronto para o publico em geral até ao fim deste ano, o mais tardar no inicio de 2010.

Mas o que eu vos quero mostrar hoje, é uma das “features” mais importantes deste novo Win7, o suporte de touch screens.

Portanto aqui vai uma pequena apresentação desse “feature” (peço desculpa por estar em inglês), e mais não digo, vejam o video…

Programas de IM


Recentemente vi-me deparado com um problema, o Windows Live Messenger (versão 2009 build 14.0.8064.206) não entregava mais ou menos 1 terço das mensagens que eu escrevia nem recebia 1 terço das que era suposto receber, e eu pus-me a pensar porquê…

Deve ser por eu estar a usar wireless no portatil e o WLM não gostar de redes wireless?!

Mas depois pensei, deixa ca testar outro programa qualquer… Testei o Pidgin e funciona sempre a 100% entrega as mensagens todas no protocolo do WLM (MSNP). Testei também outros softwares de outras “redes” como o Yahoo Messenger e o Google Talk. E surpresa das surpresas, todos entregam as mensagens todas assim como as recebem todas.

Como todos os testes foram feitos sempre a usar o wireless, o problema deve ser o Windows Live Messenger a utilizar redes wireless…

Então será que é so um bug qualquer no programa? Visto que o Pidgin usando o mesmo protocolo entrega as mensagens todas, o problema não é do protocolo (MSNP) em si, mas sim do programa…

Pronto fui forçado a mudar para o Pidgin, e é se quero “falar” com os meus contactos do WLM sem problemas.

E vocês, que programa usam e porquê?

Já tiveram algum problema destes com algum programa de chat?

Songbird 1.1 – Player de música opensource

Songbird mac

O que é o Songbird?

O Songbird é um reprodutor de música opensource bastante completo, ao estilo do iTunes, criado em XUL, a plataforma modular de desenvolvimento da Mozilla.

Graças a usar o motor da Mozilla, o SongBird é multi-plataforma e tem ainda suporte a themes e extensões de terceiros.

Novidades do Songbird 1.1

Songbird mac

O SongBird 1.1 está recheado de novidades, desde melhorias no performance do reprodutor a novas features interessantes.

É possível agora obter a Artwork dos seus albúms de música a qualquer momento, para tal basta efectuar um clique com o botão direito do rato e escolher a opção “Get Album Artwork”.

O novo conjunto de bibliotecas gstreamer permitem obter um melhor performance em sistemas operativos Windows.

Pode-se adicionar pastas a um sistema que irá automaticamente importar e sincronizar informações das músicas presentes nessas páginas e é ainda possível aumentar o número de filtros de pesquisa e de ordem no momento que estamos à procura de uma música.

A loja online de música 7digital MP3 Store foi integrada na nova versão do Songbird, o que lhe possibilitará agora comprar músicas de alta qualidade de som, tal como é possível no iTunes.

O SongBird tem agora também o suporte a 100% de dispositivos MTP e é possível a sincronização de músicas protegidas pelo sistemas DRM do Windows presentes nas músicas destes dispositivos.

Estas são as grandes novidades do SongBird, no entanto o Songbird pode ser configurado e personalizado ao gosto de cada um.

Tal como disse, o Songbird disponibiliza online um directório de extensões que permitem adicionar novas funcionalidades ao seu reprodutor de música.

Por exemplo, é possível enviar um tweet para a sua conta no Twitter com informações relativas à música que está a ouvir no momento, ou até trocar informações utilizando a sua conta Last.fm.

Gazelle by Microsoft

Depois do Kumo, trago-vos o Gazelle, outro projecto recente da Microsoft

Gazelle é o nome do novo browser da Microsoft (não é bem o nome de um novo browser, mais a frente explico), este projecto está entregue à Microsoft Research, não tem nada haver com a equipa do IE, o que ja por si é um bom sinal.

A guerra dos browses tem estado ao rubro, Apple apresentou um novo Safari, o Chrome da Google famoso pelas suas abas, o Firefox da Mozilla está cada vez melhor, e ainda ha o Opera, no meio disto tudo há o IE com resultados de render e performance vergonhosos. A Microsoft tem um problema grande nas mãos, precisa de um browser rápido e seguro para ser competitiva.

O este projecto é diferente dos actuais browsers, comporta-se como um sistema operativo, é aí que entra o nome GAZELLE que é o nome do kernel do browser

De acordo com um documento publicado recentemente pela empresa, a ideia por trás do Gazelle é criar um mecanismo que funcione como um sistema operativo, controlando todos os recursos do sistema  a princípios de websites. Com isso, a Microsoft espera obter muito mais segurança e robustez, ao mesmo tempo oferecer uma performance aceitável e retrocompatibilidade.

“Não obstante, nenhum browser existente, incluindo novas arquiteturas como IE 8, Google Chrome e OP, possui uma construção de SO multi-principal que dá ao sistema baseado no navegador, normalmente chamado Kernel do Browser, o controlo exclusivo para protecção e a partilha justa de todos os recursos do sistema entre os princípios do navegador”, explica a empresa.

Para já é apenas um projecto de pesquisa da Microsoft, já existe um protótipo funcional e em testes, com performace e resultados “aceitaveis” segundo a mesma, em 19 dos 20 sites mais famosos do Alexa.

Será este o trunfo da Microsoft para guerra dos Browsers?

Apresentando me…. Sou Everton Cesario

Olá, e com muito prazer que venho anunciar a minha inclusão na equipa do Webtuga, e assim escrever sobre Windows, Telemóveis, e Portáteis.

Sou Brasileiro, tenho 16 anos, porém estou a  1 ano na blogosfera, sou Webdesigner, escrevo em meu Blog  o Ultimate Live, que fez um ano recentemente.

Farei o possível para estar a postar noticias de qualidade e assim informar a vocês leitores.

Peço que não estranhem  meu modo de escrita, por ser brasileiro irei me aprimorar com o tempo a linguagem de Portugal e assim estar a me proporcionar o melhor a vocês.

As minhas  Boas Vindas e Agradeço ao Cenourinha por estar me concedendo este espaço.

Guerra Santa

Todos têm uma fé. Uns acreditam em Delphi, outros em Java. Há ainda os discípulos de C, de Visual Basic, HTML e outras tantas igrejas menores. São programadores, mas poderiam muito bem ser chamados de pastores.

Jamais duvide da linguagem preferida de um programador. Pode ser o caminho mais curto para a fogueira da Guerra Santa Virtual.

Como não podia deixar de ser, também cultivei a minha religião. Ainda brincava com BASIC, sem fazer nada de importante, quando conheci o Pascal. Um amigo baixara algumas apostilas de um BBS – ainda não se acedia à Internet – e assim que li fiquei convertido.

Pela primeira vez na vida vi uma linguagem estruturada. Tudo muito lógico, restrito e, ao mesmo tempo, flexível. Talvez não tão eficiente quanto o todo poderoso C, que conhecia de fama, mas muito mais eficaz que o BASIC e perfeita para a correcta aprendizagem da programação.

Devorei os tutoriais todos e em questão de dias já fazia programas em Pascal que nunca conseguira fazer em BASIC.

Convertido, jurei nunca mais usar “goto” e sempre adorar a estrutura perfeita das constantes, variáveis e sub-rotinas, organizadas e declaradas previamente, Já havia versões estruturadas de BASIC por aí, mas sempre era possível numerar as linhas e desviar o programa usando “goto”, uma verdadeira blasfêmia a ser evitada.

Veio então a interface gráfica, e o computador ficava cada vez mais acessível aos impuros e infiéis humanos normais. Apanhei o comboio um pouco tarde, quando Windows 95 já se firmava como padrão de mercado e comecei a desenvolver em Delphi, que era baseado em Pascal. Percebi, porém, que apesar da minha firme convicção, as linguagens ditas inferiores não desapareciam. Pior.

Percebi que era possível sim, desenvolver programas bons até mesmo em Visual Basic. Minha fé perdera o sentido de ser.

Pode ser difícil de admitir, mas a sua linguagem de programação preferida, assim como a sua equipa de futebol, não ganha sempre. A evolução, já dizia Darwin, depende da selecção natural e da diversidade. Não importa o quanto se batalhe e dicuta, haverá sempre  alguém fazendo um programa melhor que o seu, na linguagem que você mais odeia. E não adianta nada deita-lo na fogueira.

Tentaram esse método há uns mil anos atrás e não deu certo.


resolvi partilhar com vocês esta cronica da revista PC Master (Ano 5, Edição 51, Por Leandro Calçada). O texto demonstra na perfeição a realidade… todos nós (programadores) por uma razão ou por outra gostamos mais de uma linguagem de programação e conscientes da nossa convicção defendemos-la até ao fim, quem diz linguagens de programação, diz sistemas operativos… somos todos seguidores de alguma coisa.

Eu digo, ainda bem que não concordamos em tudo e ainda bem que existe alternativas e concorrência.

Darwin tinha razão, a evolução depende da selecção natural e da diversidade… será sempre assim…

Bom fim de semana, Cumprimentos