Computador “interpretará” linguagem Gestual pela primeira vez

Com o objectivo de facilitar a comunicação dos deficientes auditivos no dia a dia, os Investigadores da Universidade Politécnica de Madrid, na Espanha, criaram o primeiro computador capaz de interpretar a linguagem Gestual utilizada por pessoas com deficiência auditiva.
O sistema, será submetido a vários testes nesta semana e ficará pronto na próxima segunda-feira, de acordo com a instituição.
A ideia é implantar o sistema para utilização em serviços públicos da Espanha. Este sistema é capaz de traduzir, por exemplo, as expressões pronunciadas por funcionários públicos no atendimento a deficientes que desejarem renovar o bilhete de identidade.

software_sianais

Com a nova tecnologia, segundo a Universidade Politécnica, será dado um grande passo para eliminar as barreiras de comunicação encontradas por portadores de deficiência auditiva que passam por meios administrativos.
O computador realiza o processo de tradução em três fases: reconhece a voz do funcionário ao obter a sequência de palavras pronunciadas, traduz a sequência de palavras e, por fim, reproduz os sinais.

Alojamento Web

Google propõe sistema de pagamento para aceder a notícias na Internet

Google

A Associação de Jornais dos Estados Unidos (Newspaper Association of AmericaNAA), que reúne mais de 2 mil editores, solicitou recentemente ao Google e a outros grupos, como Microsoft, IBM e Oracle, o desenvolvimento de uma solução que permita cobrar pelos acessos aos sites de Internet através do pagamento de notícias ou do cadastramento dos dados dos usuários, a fim de revender para eventuais objectivos publicitários.

Segundo informações do jornal La Repubblica, o Google foi o primeiro a propor uma solução viável: o sistema de micro-pagamentos, ou seja, pagamentos de valores inferiores a US$ 0,50, de modo semelhante como já ocorre com lojas virtuais como Tunes.

O Google elaborou uma proposta para estabelecer um sistema de pagamentos por acesso a notícias na Internet que pode ajudar a atenuar os actuais problemas financeiros de diversos meios de comunicação, informou a imprensa americana no passado dia 10 de Setembro.

No documento do Google, a empresa aposta por uma Internet “aberta”, mas não necessariamente “de graça”, na qual a publicidade continuaria sendo a maior fonte de receitas para os meios de comunicação, embora reconheça que um serviço de assinatura representaria “uma importante fonte de renda adicional”.

De acordo com o Google, as procuras por informação deverão continuar a ser gratuitas, seja o conteúdo pago ou não. No caso de assinaturas, recomendaria-se estabelecer uma conta única que desse acesso a diferentes artigos de diferentes meios de imprensa.

O sistema é similar ao estudado por diversas empresas do sector jornalístico nos EUA. A gigante News Corporation, do magnata Rupert Murdoch, já entrou em contacto com os principais jornais do país para iniciar um programa de cobrança pela leitura de artigos na Internet. O plano da News Corporation consistiria em criar um consórcio integrado por líderes no sector como “The New York Times”, “Washington Post” e “Hearst Corporation” a fim de estabelecer um mecanismo comum para seus conteúdos digitais, tanto para a web, quanto para dispositivos portáteis.

A aceitação do Google de propor assinaturas para acesso a certas notícias foi tida como surpreendente devido às más relações da empresa com os principais meios de imprensa americanos.

Durante os últimos meses, as principais empresas de comunicação dos EUA foram muito críticas com o Google, companhia à qual acusam de se beneficiar da distribuição de notícias escritas por outros meios sem que estes recebam compensação por isso. O Google defendeu-se alegando que, com seu sistema de procura de notícias sem restrições, reencaminha os usuários para as edições digitais dos jornais.

Alojamento Web

Artista norte-americano cria par de ténis a partir de sucata de computador

Há certos dias em que nós pensamos que já vimos um pouco de tudo, e que provavelmente não seremos surpreendidos por algo tão depressa, mas é nesses dias que aparece sempre alguma coisa fora do comum que nos deixa ainda mais admirados/surpreendidos.
Penso que nunca ninguém tinha pensado em agarrar em peças do computador e mais alguma “sucata” e fazer um par de ténis. Nesta altura alguns devem de estar a perguntar: “Um par de ténis feito de sucata e peças de PC? Que ideia mais ridícula.” Pois, mas afinal parece que não é assim tão ridícula…

junkdunk1

junkdunk2

O “Junk Dunk” é um ténis, de tamanho 41, criado a partir de metal, arame, peças de PC e máquina de escrever pelo artista norte-americano Gabriel Dishaw.

“Minha paixão por calçados desportivos foi um dos motivos principais para que eu criasse esta peça. Com o ‘Junk Dunk’, a abordagem foi um sentimento mais abstracto, com esta peça eu queria mostrar uma representação mais realista do sapato”, explicou o escultor Gabriel Dishaw.

junkdunk3

junkdunk4

Estes ténis são umas peças fora do comum que qualquer amante/fanático por tecnologia irá desejar ter uns, e quem sabe se até vão começar a virar moda?

Alojamento Web

Carros eléctricos isentos de pagarem parquímetros em Madrid e Sevilha

carro_eléctrico

Pois é, ao que parece os veículos eléctricos vão estar isentos de pagarem parquímetros em zonas da cidade de Madrid e Sevilha, refere a agência Europa Press, citando responsáveis de ambas as cidades.

Segundo a mesma fonte, este projecto, ao qual aderiram as cidades de Madrid, Sevilha e Barcelona, pretende impulsionar o desenvolvimento e implementação do carro eléctrico em Espanha.

“O carro eléctrico não é mais uma alternativa, é o futuro”, explicou um dos responsáveis, referindo que hoje em dia, a utilização deste tipo de veículos ainda é remota, mas que num futuro próximo será um requisito obrigatório para se conduzir nos centros urbanos.

A nós só nos resta esperar para saber se Portugal “vai por os olhos” na Espanha e se algum dia adoptará esta medida.

Alojamento Web

Pombo é mais rápido que banda larga na África do Sul

Hoje em dia a Internet é um meio fundamental para todos nós (há quem esteja/seja dependente da mesma), não só por fins pessoais e de lazer mas também como meio de trabalho e de comunicação, mas se estiver na África do Sul, pense se não será melhor utilizar um pombo correio ao invés da “tradicional” Internet.

Ao que parece uma empresa de informática disse ter provado que é mais rápido transmitir informações na África do Sul com um pombo-correio do que usar o principal provedor de acesso à Internet do país, a Telekom.

Pombo-Winston

O pombo Winston levou um cartão de memória de 4GB amarrado numa das patas num percurso de cerca de 80 km entre um escritório da empresa Unlimited IT, na cidade de Howick, e outro na cidade costeira de Durban.

Segundo a Unlimited IT, levou uma hora e oito minutos para que a ave chegasse ao destino e mais uma hora para que o conteúdo do cartão fosse colocado num computador. Durante o mesmo período, a empresa disse que enviou de um computador no primeiro escritório a outro no segundo os mesmos dados e apenas 4% deles haviam sido baixados durante esse tempo, apesar de ter sido usada banda larga.

A ideia da prova apareceu quando um funcionário da Unlimited IT reclamou da baixa velocidade na transmissão de dados por ADSL.

A prova empolgou alguns sul-africanos, fazendo com que centenas deles acompanhassem os passos da corrida na Internet em redes sociais como o Facebook e o Twitter.

Mas será que a culpa é da empresa?

A Telekom disse que não é responsável pela velocidade baixa da Internet usada na empresa.

“No passado, várias recomendações foram feitas ao cliente (Unlimited IT) mas nenhuma delas, até agora, foi aceite”, disse Troy Hector, da Telekom, por e-mail, à agência de notícias da África do Sul, Sapa.

O correspondente da BBC no país, Andrew Harding, disse que a “corrida” foi uma jogada publicitária criativa da Unlimited, mas que o resultado dá alguma indicação sobre o estado da banda larga no país e no continente africano como um todo.

Há expectativa de que a velocidade da Internet na África melhore em breve, com a chegada de uma nova ligação por fibra óptica conectando o sul e o leste do continente, acrescentou Andrew Harding.

Segundo o repórter, Winston pode ter sido vitorioso nesta corrida, mas os provedores de Internet já estão a desafiar o pombo para uma desforra.

Alojamento Web

Meo – Novo serviço grava TV a partir do telemóvel

Meo

O Meo lança este mês o serviço de Gravação Remota que permitirá aos seus clientes agendar gravações de programas televisivos através de qualquer computador ou do seu próprio telemóvel, anunciou a empresa esta segunda-feira.

Este serviço irá permitir o acesso à grelha de programação do Meo e o agendamento remoto de gravação dos programas de forma gratuita.

  • No computador é preciso consultar o “Guia TV”, seleccionar o programa pretendido e agendar a gravação, pressionando a opção “Gravar”.
  • No telemóvel, este serviço é exclusivo para quem tem telemóveis 3G da TMN.

Além disso, o Meo vai permitir a visualização na televisão de fotografias, desde que estas estejam alojadas no site Sapo Fotos.

Alojamento Web

Ímanes “Super-potentes”

Magnifye,gadgets,Tim Coombs

Um grupo de cientistas conseguiu encontrar uma forma de magnetizar material supercondutor que pode criar ímanes 10 vezes mais fortes que os tradicionais, sendo capazes de levantar um camião de 7 toneladas. Estes novos ímanes fazem parte de um projecto chamado Magnifye, desenvolvido por um grupo de engenheiros da universidade de Cambridge (no qual se destaca Dr. Tim Coombs, um professor do Departamento de Engenharia da Universidade de Cambridge), segundo a Euronews.

Para que o íman tenha um campo magnético estável, o material supercondutor tem de ser arrefecido a uma temperatura de -200 graus centígrados (utilizando para tal efeito nitrogénio liquido).

O Magnifye utiliza um motor que converte energia térmica em correntes de milhões de amperes para criar estes ímanes “super-potentes”, produzindo uma série de ondas magnéticas que progressivamente vão magnetizando o supercondutor. Afirmam ainda que esta tecnologia pode vir a permitir construir carros com motores eléctricos tão pequenos que podem caber no cubo de uma roda, turbinas eólicas que produzam muito mais energia e também aceleradores de partículas mais eficientes.

Segundo este grupo de investigadores, quando forem construídos ímanes, pequenos o suficiente para caberem na palma da mão, poderão alimentar de energia um barco.