Mandriva escreve carta aberta a Steve Ballmer

Ainda ontem vi um press release da Mandriva, onde eles anunciavam que tinham conseguido um acordo com o governo nigeriano para fornecer computadores com o Mandriva 2008 instalado. Fiquei contente, confesso, porque era mais uma vitória para o software livre. Hoje estava a contar de escrever um texto sobre isso, mas o cenourinha enviou-me uma link para o blog da Mandriva e essa história caiu por terra.

Quando cliquei na referida link, vi uma carta aberta para Steve Ballmer, onde um dos membros deste projecto, François Bancilhon, descreve a forma como o acordo correu e foi aceite, para depois o governo nigeriano decidir que afinal iria utilizar Windows, mas pagaria o devido à Mandriva. Ele mostra-se compreensivelmente indignado com esta repentina mudança do governo nigeriano e, na minha opinião, dá a entender que sabe o que realmente se passou (e não saberemos todos).

Wow! I’m impressed, Steve! What have you done for these guys to change their mind like this? It’s pretty clear to me, and it will be clear to everyone. How do you call what you just did Steve, in the place where you live? In my place, they give it various names, I’m sure you know them.

No meio disto tudo, quem perde é o governo nigeriano. Escusado será dizer porque é o maior prejudicado nisto.

{Press release da Mandriva}
{Carta aberta a Steve Ballmer}

Author: Bruno Miguel

Blogger, apreciador de cerveja e defensor do software livre, corre um sistema GNU/Linux de acordo com Stallman e sem quaisquer bugs - apenas com funcionalidades não desejadas.

One thought on “Mandriva escreve carta aberta a Steve Ballmer”

  1. [quote]..para depois o governo nigeriano decidir que afinal iria utilizar Windows, mas pagaria o devido à Mandriva[/quote]

    Das duas, uma! Ou a Microsoft entrou com paletes de dólares ou então o governo nigeriano têm mesmo muito para gastar em informatização..

    Curiosamente, nenhuma das duas opções faz muito sentido..

    Cumps!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.