Firefox 3.6 Download

Firefox Logo

Para os mais desatentos, deixo aqui a informação de que o novo Firefox 3.6 já está disponível para download/upgrade.

Esta nova versão incluí o Personas integrado, o que lhe permite personalizar o look do seu Firefox com os mais de 30.000 skins existentes no directório oficial.

Além do Personas, o Firefox 3.6 está também mais rápido e apresenta um novo sistema para verificação de actualizações para os seus plug-ins, mantendo assim o seu browser mais seguro e garantindo que tem sempre a versão mais adequada dos plugins.

Firefox Speed

A velocidade de renderização das páginas e do javascript foi também melhorada em relação às versões anteriores. Poderá ver mais informações acerca do Firefox 3.6 aqui.

Alojamento Web

WordPress 2.8 – Download

Wordpress 2.8

Bom dia a todos, hoje foi lançada a nova versão do WordPress, a versão 2.8.

Na versão 2.8 podemos encontrar algumas novidades interessantes como a instalação de themes automática através do directório oficial tal como já era possível nos plugins.

É agora também possível editar todos os ficheiros que fazem parte de um determinado plugin e para além disso, os editores de plugins e dos ficheiros do theme têm agora um code highlighter que coloca o código colorido separando a sintaxe de forma a ser mais fácil de editar.

É recomendável a actualização a todas os utilizadores desta ferramenta, no entanto deverão ter em atenção que antes de qualquer actualização, será necessário fazer o backup da base de dados e desactivar os plugins para evitar problemas.

Como de costume, para fazer o upgrade basta clicar no link que irá aparecer no topo do painel de administração do seu WordPress avisando-o da actualização ou então através do menu “Tools > Upgrade”.

Alojamento Web

WordPress 2.8 beta 1

Wordpress 2.8

Ryan Boren da equipa WordPress, anunciou à poucos momentos no blog oficial do WordPress, o WordPress 2.8 beta 1.

As novidades são imensas e prometedoras. Fica aqui uma lista das principais alterações:

  • Editor WYSIWYG actualizado para o TinyMCE 3.2.3
  • Adicionado CodePress syntax highlighting aos editores de themes e plugins
  • Instalador de themes automático através do directório oficial e via upload
  • Novo sistema para gestão de widgets e sidebars
  • Possibilidade de editar todos os ficheiros de cada plugin
  • Guardar automaticamente as páginas/posts pressionando ctrl/command+S
  • Suporte para várias galerias por página
  • Acesso ao menu “Tools” para todos os utilizadores de forma a possibilitar o uso do Turbo
  • Adicionado campo de descrição para as tags

A tão esperada funcionalidade da instalação de themes directamente pelo painel de administração é um must nesta nova versão.

A lista detalhada de alterações e novidades pode ser encontrada aqui. Se quiser pode testar o WordPress 2.8 beta 1, no entanto não é aconselhável o seu uso em ambientes de produção.

Alojamento Web

WordPress 2.7.1

Para quem ainda não reparou, já saiu o WordPress 2.7.1 que corrige alguns bugs e apresenta algumas melhorias em relação ao 2.7.

Poderá verificar a lista das alterações a partir do WordPress Trac e provavelmente encontrará bugs com os quais já se tinha deparado no desenvolvimento de themes ou plugins.

A actualização pode ser feita manualmente, fazendo o download do pacote do site oficial do WordPress ou então utilizar a actualização automática presente no painel de administração do WordPress em Tools > Upgrade. Se escolher esta ultima opção, deverá ter em conta que as actualizações automáticas podem dar conflito com certos Plug-ins, portanto é recomendado que desactive primeiro todos os plug-ins e apenas faça o upgrade posteriormente.

Alojamento Web
Alojamento Web

WordPress 2.7 Coltrane – Download

Ainda ontem estava eu a falar do WordPress 2.7 RC 2 e hoje já vos estou a escrever no WordPress 2.7 final.

O WordPress 2.7 Coltrane vai facilitar a vida a qualquer pessoa que o use, permitindo-lhe fazer a instalação e actualização de plugins directamente pelo backend e ainda actualizar o WordPress para futuras versões automaticamente sem ter que se aborrecer a fazer o download de ficheiros para o seu servidor.

Veja este excelente vídeo elaborado com as principais novidades do WordPress 2.7 Coltrane.

Faça já a actualização do seu blog para o WordPress 2.7.

Alojamento Web

Como criar um blog – parte 2

E aqui estamos nós para a segunda parte do artigo “Como criar um blog”. Desta vez o objectivo será criar a imagem do site, ou seja, colocar o site com um aspecto que o agrade a si e ao publico alvo.

Algumas das sugestões aqui dadas são apenas a minha opinião pessoal, poderão até haver melhores alternativas.

Como criar um logótipo

Uma das melhor formas de criar uma imagem única é ter um logótipo original, simples e que fique memorizado na cabeça dos seus leitores.

Exemplos disso são os logótipos de marcas como a Apple ou a Nike, simples e de fácil memorização.

Se não tem jeito para o design, procure algum designer com provas dadas de que tem jeito para a coisa. Esta opção pode não ser muito acessível para quem quiser iniciar um blog, mas se acreditamos em algo, devemos investir nele não?

A escolha do logótipo tem que ser algo feito com pés e cabeça. O logótipo deverá ter a ver com o tema do seu blog, não fazia sentido colocar uma bola de futebol num logótipo sobre um site de gadgets, bem como um telemóvel num logótipo de um site sobre desporto.

Principalmente escolha um logótipo que o permite criar várias tonalidades de cor.

Para além do logótipo, poderá em alternativa criar uma mascote, no entanto no caso da mascote terá que ter em causa que esta deverá mostrar várias posições.

Escolher o theme do blog

Após ter o logótipo do blog, deverá ter em conta na tonalidade de cores do blog.

Se for um site sobre Rock, não fará sentido colocar uma tonalidade de cores claras, muito pelo contrário, as cores deverão ser escuras. Se por outro lado, for um site sobre casamentos, não fará sentido colocar cores escuras.

Neste caso, como estamos a usar o WordPress, aconselho-o a dar uma vista de olhos pelo directório de themes oficial. Aí poderá encontrar vários themes compatíveis com o seu gosto e filtrar os resultados, escolhendo se deseja themes widget-ready, escuros, claros, com o código válido, uma, duas ou mais colunas, etc.

Em qualquer dos casos poderá fazer pequenas alterações no seu theme de forma a acertar pequenos detalhes.

Acima de tudo o que se deseja é que você se sinta bem com o design do seu próprio site e que a maioria dos seus leitores gostem do mesmo.

Caso deseje desenvolver o seu próprio theme, deverá ter alguns conhecimentos prévios em HTML e CSS e ler a excelente documentação do WordPress no Codex @ WordPress.

Deverá tentar perceber a hierarquia de um theme WordPress e em caso de dúvida, verificar o código de outros themes.

Facilmente poderá adicionar várias sidebars dinâmicas que podem ser geradas através do backend do WordPress.

Na minha opinião, o WordPress é um dos CMS mais fáceis de criar themes, por isso alguém com alguns conhecimentos, não terá dificuldade em criar um theme ao seu gosto.

A próxima parte do tutorial vai ser a escolha dos plugins para o WordPress, por isso não deixem de ler o WebTuga diariamente, pois não tem data definida para escrever esse artigo.

Veja a primeira parte do tutorial: Como criar um blog – parte 1
Alojamento Web

Snarl – Notificações à la Growl no Windows

Snarl

Para quem usa o macOSx, as notificações do growl já não são novidade nenhuma, no entanto, apesar de no Windows existirem as tooltips, não têm a aparência e a originalidade do growl.

Hoje apresentamos-lhe o Snarl, uma aplicação flexível que permite que as notificações sejam bastante semelhantes às do Growl e poderá ser configurado ao gosto de cada um, visto ter disponível vários styles.

Para além das tradicionais notificações do Windows, existem também plugins que funcionam com o Firefox, iTunes, Pidgin, Songbird e muitas mais aplicações de terceiros.

Alojamento Web

CMS sem base de dados

CMS Sem base de dados

Hoje em dia, qualquer plano de alojamento de qualquer empresa de hosting tem suporte a pelo menos uma base de dados.

No entanto, para aqueles servidores que não têm suporte ou aqueles que atingiram o limite máximo da base de dados no seu plano de alojamento, existe uma solução para esse problema: usar um CMS que não use uma base de dados, mas sim um ficheiro de texto para guardar a informação.

Desta forma, os ficheiros de texto vão realizar a mesma tarefa que uma base de dados, não havendo a necessidade de haver outro módulo a correr no servidor para a base de dados, tal como no caso do MySql.

Em baixo, deixo algumas soluções de sistemas de gestão de conteúdo que não necessitam de base de dados para correrem.

Flatpress

Já aqui tínhamos falado acerca do Flatpress. Um cms opensource para a plataforma de blogging, bastante semelhante ao WordPress, mas que não necessita de base de dados MySql.

Usa o sistema de templates Smarty e tem o suporte para Widgets e Plugins, tal como no WordPress.

Caso queira e após a instalação e o uso intensivo do FlatPress, deseje instalar o WordPress, poderá importar a base de dados usando este script.

Pivot

O Pivot é uma ferramenta gratuita, distribuída sob a GNU Public General License, que lhe permite criar páginas dinâmicas, como pequenos blogs ou jornais online em PHP, sem a necessidade de funções ou base de dados adicionais.

A razão pela qual o Pivot usa ficheiros de texto e não uma base de dados para guardar a informação, é fazer com que o sistema possa correr numa quantidade maior de servidores possível.

Cute News

Cute News é um poderoso sistema de gestão de notícias que permite facilmente adicionar notícias, comentários, efectuar pesquisas e envio de ficheiros, tudo sem a necessidade de usar MySql.

Para além de um excelente editor WYSIWYG, apresenta ainda um sistema de templates bastante fácil de usar.

simplePHPblog

simplePHPblog é a mais simples ferramenta de criação de blogs que pode existir.

Com este cms poderá em poucos segundos ter o seu blog com as funções básicas e sem a necessidade de uma base de dados.

CMSimple

Um cms dividido em duas versões, uma comercial e outra sob as licenças GPL e AGPL 3. Visite o site do CMSimple OpenSource.

E pronto, penso que podemos ficar por aqui. Caso seja programador e tenha criado algum CMS, leia acerca do txtsql e faça uma versão do seu gestor que não necessite de base de dados.

Alojamento Web

Olá MySQL Workbench! Adeus DBDesigner4!

Foi lançado hoje o MySQL Workbench, uma ferramenta visual de modelação de dados com suporte alargado das funcionalidades do MySQL.

A principal característica que todos nós procuramos numa ferramenta destas para MySQL é a “unificação” das tarefas mais importantes (analisar, conceber e implementar) necessárias para uma base de dados, no contexto de um processo de desenvolvimento integrado e interactivo.

Até há pouco tempo, a principal ferramenta de modelação de dados no MySQL era o DB Designer 4, um projecto open source sem suporte oficial por parte da MySQL.

Muitos achavam que apesar de implementar as características necessárias para a modelação, o DB Designer4 deixava um pouco a desejar, mostrando-se pouco eficiente. Apresentava alguns “bugs irritantes”, uma utilização desleixada e uma configuração muito abstracta.

É aqui que entra o Workbench, o sucessor de DB Designer 4 mas construído de raiz a pensar no suporte alargado a todas as funcionalidades do MySQL. Apresenta uma interface melhorada, mais fácil de usar e é mais estável que o seu antecessor. Para além disto, tem a promessa de evoluir rapidamente com base no feedback que a comunidade devolve: bugs, pedido de novas funcionalidades e até de plugins!

O Workbench será distribuído de duas formas, grátis e paga. A versão grátis (Workbench OSS) terá certas “funcionalidades trancadas” para o uso do utilizador. Isto não significa que não o poderemos utilizar na sua totalidade, não sejam induzidos ao erro, até porque a própria MySQL admitiu que não. A principal diferença entre as duas versões é que na versão paga (Standard Edition) poderás adicionar módulos e plugins para o utilizar de forma optimizada.

Os Plugins disponíveis (brevemente) para o Workbench são desenvolvidos sob a linguagem Lua (originalmente do Brasil) e, apesar de ainda não estar “aberto ao público”, o repositório de plugins tem um lugar reservado no site oficial do produto.

Fonte: André Torgal