Voz e imagem podem ser pesquisadas na Internet

Uma busca na internet vai poder ser feita por voz e imagem através da incorporação de um microfone e de uma câmara fotográfica no motor de busca Google, anunciou ontem a empresa.

O sistema já disponível em dispositivos móveis, como telemóveis, com o sistema operativo Android chegará aos computadores tradicionais.

Na barra de busca do Google vão surgir dois novos ícones: um microfone, activado pelo reconhecimento de voz, e uma máquina fotográfica, que permitirá introduzir uma imagem para possibilitar procurar resultados relacionados.

Amit Singhal, membro da equipa de desenvolvimento da empresa multinacional, afirmou que os avanços feitos vão acabar com as «barreiras entre os utilizadores e o conhecimento».

Um clique no botão direito do rato sobre uma foto nos sistemas Chrome e Mozilla dará ainda a possibilidade de encontrar resultados relacionados com essa imagem no Google.

A busca por imagens arrancará em 40 idiomas, enquanto a por voz estará disponível apenas em inglês, mas já existem planos a para alargar a outras línguas.

Alojamento Web

Facebook “irrita” Uniao Europeia

As autoridades europeias vão investigar o Facebook e a sua funcionalidade de identificação automática de fotografias, que está a ser disponibilizada em vários países, depois de ter sido lançada nos Estados Unidos há alguns meses.

O Facebook implantou globalmente, sem comunicar seus usuários, o sistema de reconhecimento automático de rostos em fotos. O recurso é polémico, pois envolve questões de privacidade.
O sistema de reconhecimento automático vai funcionar por meio de comparação. Quando o usuário carregar novas imagens, o algoritmo irá comparar as faces com outras fotos já “tagueadas” anteriormente. A identificação vai depender de aprovação do usuário para ser publicada.

Quando são carregadas fotografias novas o Facebook faz o reconhecimento facial automático, sugerindo a possível identidade de quem surge nas imagens. Cabe ao utilizador confirmar esse reconhecimento ou ignorá-lo

A questão sobre a violação da privacidade aparece, no entender do regulador europeu, porque não há um pedido de autorização prévio às pessoas retratadas.

A identificação de pessoas nas fotografias só deveria acontecer com o seu consentimento prévio e não pode estar activa de origem”, consideram os reguladores.

O Facebook permite desligar a opção de reconhecimento facial, para evitar a identificação por parte da rede de amigos, mas tal obriga os utilizadores a alterarem nas suas opções de privacidade.